Agtech / Banner-Home /


CBA Sementes recebe aporte para potencializar solução de cultivo de batatas usando aeroponia

Responsável por desenvolver uma produção disruptiva de batata semente por meio da aeroponia, a startup CBA Sementes, com sede em Divinolândia, interior de São Paulo, recebeu um aporte de membros do Gávea Angels, liderados por membros do Harvard Angels. 

De acordo com Lucas Pladevall Moreira, fundador da startup e criador da solução, o cultivo utiliza 98% menos água e dispensa grandes quantidades de defensivos e nutrientes. A CBA Sementes foi escolhida a melhor empresa para investir no Thought For Food The 2020 Challenge Finale, desafio que aconteceu em outubro durante o World Food Day na ONU.

Bernhard Kiep, investidor da Gávea Angels e da Harvard Angels, justifica o aporte na startup. “O que gostei mais foi ver o trabalho de quatro anos do Lucas de realmente fazer a solução funcionar”, afirma. “Conheço o mercado de batatas e sei que é bem difícil. O Brasil, historicamente, importa 80% das sementes de batata. O trabalho deles, além de ser disruptivo para os produtores, é bom para o meio ambiente”.

Mais do que o aporte de recursos, a Gávea Angels oferece o smart money, expressão que identifica os investimentos que acabam oferecendo um diferencial para a startup. “É preciso ter um equilíbrio muito grande. Procurar empreendedores com valores éticos e morais convincentes, e soluções que trazem um benefício para a sociedade, mas também o lucro”, afirma Kiep. O que identifica em ambos os clubes anjos de que faz parte é a vontade de oferecer aos empreendedores uma mentoria que vai além do simples conhecimento técnico.

Leia mais:
Agtech brasileira CBA Sementes é finalista em desafio internacional de startups
SLC Agrícola assina acordo de compra da PlantUp, plataforma digital da Atto

Segundo ele, o caso da CBA Sementes é importante por demonstrar um compromisso de longo prazo. “Isso dá mais tranquilidade para que o empreendedor possa focar no negócio dele, sem ficar apenas se preocupando com o curto prazo”, afirma Kiep. Para o investidor, as pessoas que moram em grandes centros urbanos esquecem que o agro tem suas peculiaridades. “Startups precisam ser capitalizadas dentro do agro com uma certa segurança. E tem que ter uma expectativa mais realista.”

Em 2020, a Gávea fez ainda outros aportes em startups com alguma ligação com o agronegócio: Geekhunter (recrutamento para todos os setores), Tevec (Cadeia de suprimentos agroalimentar), Previsiown (mobilidade, mas com o agro em seu roadmap) e Congresse.me. Para 2021, já está de olho em outras quatro agtechs.