Agtech / Tendências /


O futuro da agricultura de precisão está na computação em nuvem

A geração que está liderando a agricultura de precisão aposta nos servidores de computação em nuvem  para permitir maior rapidez na interpretação dos dados coletados e geração dos mapas de recomendação. Quem analisa a questão é a InCeres, que aborda o tema em artigo  

Equipe InCeres *

Sem nenhum exagero envolvido, a cada segundo que passa a tecnologia se reinventa, atualiza e oferece novas facilidades e funcionalidades aos seus usuários. Engana-se quem pensa que o mundo do agronegócio fica para trás nessa parceria de crescimento junto à tecnologia.

Prova disso é a agricultura de precisão, nicho da agricultura que trabalha em fina sintonia com a tecnologia para proporcionar a quem deseja uma gama variada de informações sobre as especificações do solo, provando que cada parte do solo tem características diferentes e devem ter atenção singular para serem otimizadas.

A nova geração de softwares para agricultura de precisão começa a dar as caras no mercado e ganhar força, com base em velocidade, funcionalidade e alto poder de reunir e interpretar dados, o chamado Big Data da agricultura.

Coletar os dados, processar os mesmos de maneira eficiente e, logo na sequência, interpretá-los e planejar uma estratégia de ação para intervenção eficiente e produtiva no campo, são os pilares fundamentais da agricultura de precisão.

Quando se faz isso com eficientes ferramentas tecnológicas de armazenamento, processamento e compreensão dos dados, fica muito mais fácil e seguro aplicar o conceito na prática, não é?

Por isso, a computação em nuvem “pousou” sobre a agricultura de precisão e marca presença como a arma do futuro na relação entre tecnologia e o campo, em busca, é claro, de uma utilização saudável e com melhor custo/benefício do mesmo.

É hora de produzir mais, conhecer mais o solo e torná-lo, cada vez mais, produtivo e eficiente, com ajuda da tecnologia. Por isso, confira as dicas sobre como as nuvens cibernéticas podem ajudar na otimização do seu trabalho no campo.

1 – Armazenamento de informações

Uma das premissas básicas da agricultura de precisão é o armazenamento de dados sobre o solo analisado. Ao contrário do que muitos pensam, o solo não é inteiramente igual, e saber analisar com precisão cada trecho dele é essencial para otimizar o manejo.

O armazenamento em nuvem permite que uma quantidade maior dos dados coletados seja reunida, garantindo assim independência nos resultados para melhor aplicação das recomendações geradas pelo sistema.

Além disso, é mais segura, garantindo a manutenção dos dados gerados sem a necessidade de versões físicas do mesmo. Isso garante pontos no quesito segurança, que será debatido mais abaixo, mas que vale uma consideração agora: é viável confiar, sim, seus dados em um armazenamento em nuvem.

2 – Interpretação dinâmica

A geração anterior dos softwares para agricultura de precisão é, basicamente, pautada em softwares de carregamento lento, com interface nem um pouco intuitiva e o pior, com lentidão no processamento dessas informações.

A geração que está tomando a liderança no setor da agricultura de precisão aposta nos servidores em cloud para permitir mais rapidez na interpretação dos dados coletados e geração dos mapas de recomendação.

O entendimento rápido sobre o que o solo necessita para produzir mais, a eficiência na coleta dos dados, transporte para análise do laboratório, além da funcionalidade da análise singular dos pontos de referência no solo ganharam um bônus com a aplicação dos conceitos da computação em nuvem.

3 – Comparação e localização

Esse upgrade na coleta e interpretação dos dados oferece aos usuários dos softwares de agricultura de precisão a oportunidade de escalonar a sua produção com relação aos produtores de sua área, cidade, região e assim por diante.

Além disso, a otimização na obtenção dos resultados permite ainda, nos casos de cooperativas ou consultores agronômicos, uma linearidade de todos os produtores envolvidos em uma produção otimizada e de excelência.

Apostar nessa tendência tecnológica no campo, portanto, é estar um passo a frente dos demais “concorrentes”, sejam eles diretos ou não. Manter os olhos no futuro da tecnologia da área, ao lado do histórico de vivência no campo, é a melhor alternativa para crescer e melhorar sua colheita.

A troca na geração dos softwares começa a provar que é muito mais viável você depositar sua confiança e investimento em um software rápido, funcional e com muito mais poder de análise, do que em um que simplesmente analisa um sem fim de hectares de maneira lenta e sem profundidade analítica.

4 – Funcionalidade e relacionamento

A união entre os softwares de agricultura de precisão e a computação em nuvem proporcionam também a mobilidade do usuário na coleta das informações.

Qualquer dispositivo móvel pode oferecer o acesso ao GPS para coleta de informações espaciais, além de geração dos mapas de produtividade e de recomendação, mesmo off-line, garantindo ao usuário a liberdade que os antigos softwares em desktop não possibilitavam.

Cada vez mais são necessários novos tipos de análise de solo, novos níveis de pesquisa de minerais, nutrientes, compactação do solo, argila, etc. Tudo isso é baseado na vivência do usuário no campo, e deve ser transportado para dentro da empresa, em um relacionamento direto e que gere cada vez mais otimização nos trabalhos no solo.

A interpretação dos dados, da funcionalidade da plataforma, além de orientar novos rumos para o futuro da agricultura de precisão passa por várias mãos e mentes brilhantes, exigindo sintonia desde o homem do campo até quem cria a plataforma online.

5 – Segurança

Os dados gerados, as informações coletadas e interpretadas, tudo o que for referente ao solo e suas características… Tudo isso se encaixa num hall de informações importantes e valiosas, ou seja, merecem privacidade e segurança no seu armazenamento.

A agricultura de precisão aplicada nos preceitos da computação na nuvem garante isso, com total manutenção dos dados seguros, mesmo nos servidores não físicos. Como já comentado antes, isso garante um plus no acesso dinâmico às informações, otimizando o tempo e garantindo um trabalho cada vez mais eficiente no campo com a força da tecnologia.

Analisando por cima, esses são os pontos que cravam a computação em nuvem como a tendência do futuro na agricultura da precisão, tendência essa que já começa a dar seus passos e marcar a vida dos usuários.

Não tem escapatória. Cada vez mais é preciso abrir os olhos para o lado digital se a meta é otimizar o lado produtivo, a natureza da agricultura. Saber balancear os dois aspectos é fundamental para ser cada vez mais sustentável.