Agtech /


MVISIA usa Inteligência Artificial para determinar qualidade de produtos agrícolas

colhedora-fazenda

Fundada em 2016 por estudantes da Escola Politécnica da USP, a MVISIA desenvolve câmeras inteligentes baseadas em Inteligência Artificial para fazer o monitoramento de processos do agronegócio.

Saiba mais abaixo.

Nome: MVISIA

O que faz:

A MVISIA desenvolve câmeras inteligentes baseadas em visão computacional e inteligência artificial para monitoramento de processos (controle de qualidade) via imagem no campo e na indústria.

Que problema resolve:

Controle visual dos mais diversos tipos de processos com rapidez, assertividade e baixo custo.

Qual o diferencial:

Uso de Inteligência Artificial, custo, customização e suporte ao cliente.

Modelo de negócio:

SaaS (Software como serviço).

Quando foi fundada:  

2016.

Quem são os fundadores e/ou sócios

Fernando Lopes: Engenheiro Mecatrônico formado pela POLI-USP.

Fernando Velloso: Engenheiro Mecatrônico formado pela POLI-USP.

Henrique Oliveira: Engenheiro Mecânico formado pela POLI-USP.

Quando foi o momento eureka?

“Em 2014, decidimos sair de nossos empregos em grandes empresas e empreender em tecnologia no agronegócio pois julgamos que esse seria um mercado estratégico”, afirma Fernando Lopes. Ele acrescenta dizendo que, após conversas com outros profissionais do mercado, veio a ideia de começar a produzir máquinas especializadas em imagens computadorizadas.

Estágio atual da startup

Produto desenvolvido, clientes ativos, estruturando áreas de marketing e comercial para dar início a tração nas vendas.

Já recebeu investimento?

Não.

Está em busca de investimento?

Em análise.

Setor em que atua e concorrências:

Agroindústria.

Concorrentes internacionais: outras startups que desenvolvem softwares de análise de imagens usando I.A. que ainda estão se consolidando.

Principais desafios:

Suporte ao cliente e vendas (escalabilidade).

A customização de cada solução tem que ser mais rápida.

Faturamento:

Em 2017, o faturamento aproximado foi de R$ 450 mil. A projeção para 2018 é  alcançar R$800 mil.

O que sua startup gostaria de ser quando crescer?

“Ser referência em análise de imagens usando I.A. na américa latina para as mais diversas aplicações e buscar uma consolidação no mercado”, diz Fernando.

Qual foi o melhor momento da sua startup até hoje?

“O momento atual é o melhor em razão de vários projetos em curso e equipe estruturada”.

Qual foi o pior momento da sua startup até hoje?

“O início de 2018, quando houve a saída de um sócio e um desenvolvedor”.

O que você fez quando fechou seu primeiro negócio?

“Comemoramos com a equipe e iniciamos os trabalhos muito empolgados. Também enchemos a lata no dia.”

Quem deu o primeiro sim para a sua startup?

Os sócios.

E o primeiro não?

Banca de avaliação em um evento de startups.