Agtech / Banner-Home / Notícias /


Fundo de venture capital de Lara Lemann investe na food tech NotCo

Portfólio do Maya Capital, criado pela filha de Jorge Paulo Lemann em parceria com Monica Saggioro, já conta com 12 startups

Startup chilena que desenvolve proteínas alternativas usando apenas vegetais, a NotCo atraiu a atenção de grandes investidores, como o Bezos Expedition, de Jeff Bezos, e captou US$ 30 milhões em maio deste ano. A empresa já chegou ao Brasil e faz parte do portfólio de investidos do Maya Capital, novo fundo de venture capital criado por Lara Lemann, filha de Jorge Paulo Lemann, e Monica Saggioro.

De acordo com informações do site NeoFeed, o foco do Maya Capital é em startups em estágio inicial, mas que tenham um Mínimo Produto Viável (MVP). “Somos um fundo cujo cheque vai até R$ 2 milhões”, disse Lara Lemann em uma apresentação no evento de empreendedorismo BlastU. O portfólio da empresa conta com 12 startups, mas apenas 5 são listadas em seu site: além da NotCo, receberam investimentos a Truora, de segurança digital; a Kovi, com soluções de mobilidade; a Gupy, com foco em aumentar a eficiência de processos de recrutamento; e a EmCasa, que quer redefinir a maneira como as pessoas compram imóveis.

Leia mais:
Burger King lançará no Brasil o Rebel Whopper, versão plant based de seu famoso lanche, em setembro
Food tech capta US$ 30 milhões de investidores, incluindo Jeff Bezos

O fundo não divulga o valor total dos recursos disponíveis. Mas uma parte deve ser dedicada a novos aportes em fases mais avançadas das startups. Antes de decidir sobre um aporte, as duas investidoras analisam o perfil dos fundadores. “O nosso objetivo é ter um portfólio entre 25 e 30 startups”, disse Monica, ao NeoFeed.

Alguns dos produtos da NotCo, como sua NotMayo, uma maionese que não leva nenhuma proteína animal, já pode ser encontrados em lojas brasileiras. Com o aporte de US$ 30 milhões, a food tech planeja justamente expandir sua operação para outros mercados. Além do Brasil, miram no México e nos Estados Unidos. Para reproduzir o sabor original, a companhia usa um sistema de inteligência artificial que analisa a comida em nível molecular para recriar até texturas.