Agtech /


ARPAC aposta em drones para pulverização agrícola e controle de pragas

comprar um drone

A série “Perfis StartAgro” de startups AgTech traz agora a ARPAC, empresa com sede em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, que atua no setor de pulverização agrícola por meio de drones.

Por Pedro Romanos

Confira abaixo:

 Nome:

ARPAC

O que faz:

Atua no setor de pulverização agrícola por meio de drones produzidos pela própria empresa.

Que problema resolve:

A aplicação de defensivos agrícolas através de drones permite atuar de forma mais precisa, atingir áreas que não podem ser alcançadas pela aviação agrícola e reduzir os riscos inerentes da pulverização costal.

Qual o diferencial:

A empresa, que tem Eduardo Goerl como um dos sócios, fabrica aeronaves que aceleram o processo de prestação de serviços do produtor e facilitam projetos na fazenda no setor da aplicação de defensivos.

Modelo de negócio:

Fabricação de drones e prestação de serviços.

 Quando foi fundada:

2014

 Quem são os fundadores e/ou sócios (breve perfil)

  • Eduardo da Costa Goerl(fundador e sócio): Formado em Gestão para Inovação e Liderança, piloto de Airbus A320 na Latam.
  • Cristiano Silveira (cofundador): Técnico em instrumentação na Petrobrás e Engenheiro Elétrico.
  • Fábio Kronh (sócio): Empreendedor e CEO na empresa de tecnologia “Pandorga”.
  • Jader Marques (sócio): Advogado e primeiro investidor.
  • Enio Freitas (sócio) Engenheiro Elétrico e projetista de aeronaves.

 Como surgiu: Quando foi seu momento eureka?

Em 2008, Eduardo sofreu um grave acidente aéreo quando dava instrução de voo.  O dono da ARPAC seguiu a carreira como piloto comercial. Em 2014, quando  estava em voo de cruzeiro passando sobre a cidade onde havia se acidentado, o empreendedor, por acaso, se deparou com  uma revista em falava sobre drones e as novas possibilidades que eles abriam. Eduardo conta que o momento eureka durou alguns segundos e o fez visualizar grande parte do futuro da empresa.

 Estágio atual?

Ganhando escala.

Já recebeu investimento?

Sim.

Está em busca de investimento?

Sim.

Setor em que atua e concorrências:

Agronegócio – Fabricantes de drones. Fabricantes de tratores, avião e pulverizadores costais.

Principais desafios:

Ganhar escala no modelo de negócios.

Visão de futuro:

Queremos atuar com drones autônomos controlando pragas e doenças em estágio inicial de desenvolvimento, de forma precisa, gerando colheitas mais produtivas”, diz Eduardo Goerl.

Qual foi o melhor momento da sua startup até hoje?

A primeira aplicação de produtos biológicos, na cana-de-açúcar, foi  algo inesquecível, diz o empreendedor.

Qual foi o pior momento da sua startup até hoje?

A primeira queda de drone em serviço e o entendimento do tamanho do desafio técnico que se apresentava para prestar serviço no mercado agrícola.

O que você fez quando fechou seu primeiro negócio?

Encontrei a equipe e comemoramos juntos!”

 Quem deu o primeiro sim para a sua startup?

Um parceiro produtor de trichogramma e a Promip, empresa de controle biológico.

E o primeiro não? “São muitos até agora”, diz. “Porém, procuramos entender essas recusas como uma chance de melhorar o que entregamos e ter claro que caminhos realmente não devemos seguir.”